Quem persiste sempre alcança

Vitória em Monza ressuscita Gasly e pódio

inédito dá mostras de quem vem por aí

A vitória de Pierre Gasly no GP da Itália (foto de abertura: Red Bull) provocou reações das mais variadas, variando da perseverança do francês de 24 anos, demitido da equipe Red Bull no ano passado, passando pela derrota da Mercedes e chegando ao processo que levou o diretor Michael Masi a interromper a prova por cerca de meia hora. Seja qual for o argumento explorado, a realidade é que o inesperado pódio que incluiu Carlos Sainz Jr e Lance Stroll mostrou ao mundo a nova geração de pilotos que se destacam em equipes médias.

O filho de Jean-Jacques e Pascale Gasly tem no DNA uma boa dose de automobilismo: seu avôs paternos praticavam o kartismo muito antes de Pierre nascer, em 7 de fevereiro de 1996. O avô Jean fez parte da equipe nacional francesa em 1961 e a avó Évelyne foi campeã regional da Normandia; o pai foi campeão francês de endurance com um Peugeot 205 e dois dos seus quatro irmãos também são kartistas.

A relação da família com automóveis tem também uma página menos alegre: em julho de 2016, a caminho de Silverstone para disputar uma prova da GP2 (atual F2 FIA), o carro em que ele e sua mãe viajavam e era conduzido por seu chefe de equipe, capotou. Ele saiu praticamente ileso, mas Pascale ficou hospitalizada por 90 dias. No sábado a vitória com  9”422 de vantagem sobre Antonio Giovinazzi foi dedicada a ela.

Stroll só tem a ganhar com a possível chegada de Vettel à equipe do seu pai (Racing Point)Stroll só tem a ganhar com a esperada ida de Sebastian Vettel à sua equipe (Racing Point)

Há anos a persistência de Pierre Gasly é colocada à prova por um personagem que voltou às manchetes com seu triunfo em Monza: Helmut Marko. O austríaco que atua como consultor da Red Bull preteriu o francês em favor de Daniil Kvyat em 2017 e em 2019 o rebaixou do posto de companheiro de Max Verstappen para a Toro Rosso, trocando-o de lugar com Alex Albon. A lista de pilotos que tiveram suas carreiras drasticamente afetadas por Marko é longa e Gasly é o primeiro a responder com uma vitória na equipe B do Reino do Touro Vermelho. A opção de permanecer sozinho no pódio, refletindo sobre uma conquista inédita tem muito a ver com tudo isso.

Sainz Jr já vivenciou o ambiente que quase nocauteou Gasly (McLaren)

Carlos Sainz Jr. também já sentiu na pele os métodos de Marko, situação que de certa maneira vive na McLaren: no final do ano ele muda seu endereço de Woking para Maranello, o que faz o time inglês dar certa preferência a Lando Norris. Já Lance Stroll (29/10/98), mais jovem que Gasly (7/2/96) e Sainz Jr (1/9/94), pode concentrar-se na evolução da sua carreira sem maiores preocupações. Seu pai Lawrence é o dono do time. Por mais que o resultado de Monza tenha sido inesperado, a juventude do trio dá uma ideia do que vem pela frente.

A partir da esquerda: Sainz, Stroll e Gasly, futuros astros (Red Bull)

O futuro dos três parece tão promissor quanto incerto: em particular, há dúvidas se Gasly – magistral ao evitar que o espanhol entrasse no vácuo o seu carro – teria apoio para repetir bons resultados na Red Bull, onde Max Verstappen reina absoluto. A ida de Sainz para a Ferrari (que atravessa uma das piores crises de sua história e parece apostar em Leclerc como o salvador da pátria) pode arrefecer seu progresso. Quanto a Stroll ele só tem a ganhar caso Sebastian Vettel, como é esperado, efetivamente assine com a equipe Racing Point para 2021, quando o time levará as cores e o nome da Aston Martin.

Em Monza Toto Wolff anunciou que permanece na equipe alemã (Mercedes)

O processo para chegar a tão surpreendente pódio teve origem num erro cometido por Lewis Hamilton e a equipe Mercedes, que não atentaram para a sinalização que proibia a entrada nos boxes. O diretor de prova Michael Mais tem aplicado processos diferentes do que seu antecessor, Charlie Whiting, prática que tem criado situações inéditas e gerado alguma disputa em um cenário onde a superioridade da marca alemã é acachapante. Também se espera novidades nesse time: Toto Wolff confirmou que segue na empresa, mas em cargo e função ainda por definir. Nas entrelinhas entende-se que delegará o controle de operações a um dos seus auxiliares diretos.

Lewis Hamilton lidera campeonato que prossegue domingo em Mugello (Mercedes)

Certamente as próximas etapas dificilmente terão o mesmo grau de emoção do que se viu em Monza domingo passado (veja aqui o resultado completo da prova), mas o simples fato de ter acontecido um pódio sem pilotos da Ferrari, Mercedes e Red Bull é um verdadeiro alento, no mínimo um eficiente analgésico para (mais) uma temporada dominada por Lewis Hamilton.

Siga-nos no Instagram

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.