Nem pneu dechapado segura Hamilton em Silverstone

Mais uma vez pneus fazem a festa no GP da Grã-Bretanha

A supremacia de Lewis Hamilton no circuito de Silverstone ganhou hoje uma página especial: mesmo com o pneu dianteiro esquerdo dechapado no início da 52ª e última volta da prova o inglês conseguiu cruzar a linha de chegada 5”586 à frente do holandês Max Verstappen, que fez a melhor volta da prova. Como previsto, o desgaste dos pneus definiu o resultado final da competição: além de Hamilton (que recebeu a bandeira andando em praticamente três rodas), Valtteri Bottas e Carlos Sainz sofreram com o mesmo problema e deixaram de marcar pontos em uma prova onde andaram a maior parte do tempo em segundo e quinto lugares. Em 2013 nada menos de seis pneus estouraram durante a prova e este ano o número não foi maior porque duas intervenções do Safety-Car (da segunda à sexta volta e da décima-terceira até a décima nona) contribuíram para minimizar o desgaste desse equipamento.

Estratégia de buscar melhor volta pode ter custado vitória de Verstappen (Red Bull Content Pool)

Destaques da corrida incluem a estratégia da equipe Red Bull no final da prova, as boas apresentações de Charles Leclerc (3º com um Ferrari pouco competitivo), Pierre Gasly (7º) e Alex Albon (8º), o acidente de Kevin Magnussen e a ausência de Nico Hulkenberg.  Quando Bottas teve o pneu furado Verstappen herdou o segundo lugar com tamanha vantagem para Charles Leclerc (terceiro no final), foi chamado ao box receber pneus macios em seu carro e sair em busca do ponto extra garantido pela volta mais rápida da prova.

A jogada foi bem-sucedida, mas tivesse continuado na pista a vitória seria um resultado bastante provável, consequência do problema enfrentado por Hamilton; o holandês recebeu a bandeirada pouco mais de cinco segundos aatrás do inglês, diferença que certamente seria invertida caso o pit stop na antepenúltima volta não tivesse acontecido.

Desde a prova de classificação, no sábado, ninguém superou Hamilton, nem pneu dechapado (Mercedes)

Com o resultado de hoje Hamilton somou mais uma vitória  às seis conquistadas em 2008/14/15/16/17/19; a Max restou o consolo de ter feito a melhor volta da prova (1’27″097), o que tirou de Alex Albon o ponto extra garantido por tal desempenho; igualmente na volta derradeira. o anglo-tailandês registrou 1’28″689.

Charles Leclerc novamente brilhou em um fim de semana em que Vettel teve problemas (Ferrari)

A diferença pode ser explicada pelos pneus mais novos e a maior experiência do holandês. O que fica dificil explicar é a diferença de rendimento entre os carros de Charles Leclerc e Sebastian Vettel durante todo o fim de semana. Se tal situação persistir por mais uma ou duas corridas não se espante se o alemão deixar a Scuderia antes do final da temporada.

Daniel Ricciardo conseguiu seu melhor resultado para a Renault (Renault Sport)

Vale destacar ainda o quarto lugar de Daniel Ricciardo, seu melhor resultado pela equipe Renault até agora. Durante toda a prova o australiano mostrou combatitividade e andou ensanduichado pelos McLaren de Carlos Sainz e Lando Norris. Sainz queixou-se do desgaste dos pneus no terço final da prova, mas o espanhol e a equipe concordaram em evitar uma segunda troca de pneus, decisão que custou bons pontos a ambos. Como ocorreu nas últimas duuas corridas a equipe Renault novamente protestou contra os carros da equipe Racing Point, a quem acusa de copiar peças do Mercedes W10, carro que o time alemão usou no ano passado.

No Reino de Red Bull Alex Albon viveu um fim de semana marcado por vários acidentes e incidentes e na corrida, desempenho que alimenta as tradicionais trocas de pilotos no universo cujo brilho é encoberto pelo caráter  de Helmut Marko. Logo na primeira volta ele se envolveu em uma batida com Kevin Magnussen quando completavam a última curva do circuito de 5.888 metros. O anglo-tailandês seguiu na prova, mas o dinamarquês – que tinha errado o traçado na entrada da curva Club – abandonou após sair da pista e bater forte contra a barreira de proteção. Apesar de conhecido por seu estilo arrojado e agressivo de disputar posições, os comissários desportivos entenderam que a culpa do acidente foi de Albon e lhe aplicaram penalização de cinco segundos.

Boa disputa entre Pierre Gasly e Alex Albon reacendeu disputas no currículo de ambos (Red Bull Content Pool)

O companheiro de equipe de Vertappen seguiu andando forte e chegou a ficar fora dos pontos, mas recuperou-se e chegou a marcar a melhor volta da prova; ter ficado atrás de Pierre Gasly, no entanto, deu certo amargor à uma atuação arrojada e combativa. Há cerca de um ano Albon e Gasly inverteram suas posições nas equipes Red Bull e Toro Rosso, a atual AlphaTauri; até hoje a mudança provoca  Nico Hulkenberg, chamado às pressas para substituir Sérgio Pérez (diagnosticado como positivo para Covid-19) sequer alinhou no grid: seu carro teve problemas de motor quando saia para o alinhamento. Ele terá nova chance de competir na próxima semana, quando acontece o GP dos 70 anos da F-1, novamente em Silverstone.

Os 10 primeiros:

  1. Lewis Hamilton, Inglaterra, Mercedes W11, 52 voltas em 1’28’283
  2. Max Verstappen, Países Baixos, Red Bull RB16-Honda, a 5”586
  3. Charles Leclerc, Mônaco, Ferrari SF1000, a 18”474
  4. Daniel Ricciardo, Austrália, Renault R.S.20, a 19”650
  5. Lando Norris, Inglaterra, McLaren, MCL35-Renault, a 22”277
  6. Estebán Ocón, França, Renault R.S.20, a 26”937
  7. Pierre Gasly, França, AlphaTauri AT01-Honda, a 31”188
  8. Alexander Albon, Tailândia, Red Bull RB16-Honda, a 32”670
  9. Lance Stroll, Canadá, Racing Point RP20- Mercedes, a 37”311
  10. Sebastian Vettel, Alemanha, Ferrari SF1000, a 41”857

No campeonato Hamilton lidera com 88 pontos. Bottas (58), Versttapen (52), Norris (36), Leclerc (33), Albon (26), Pérez (22), Stroll, Ricciardo (ambos com 20), e Sainz (15) completam os 10 primeiros.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.