Check-up completo

Empresa de engenharia MacPen oferece serviço de análise estrutural de automóveis de competição

Proposta é parte de projeto abrangente do Grupo Servidone para o automobilismo nacional

O processo de manutenção de uma máquina, seja ela automotiva ou estacionária, é parte importante para obter o melhor resultado na equação formada por economia, rendimento e segurança. Exemplo típico são os processos adotados em setores industriais como o de petróleo e aeronáutica; neles cada elemento tem período de vida pré-determinado e é substituído mesmo se aparentar desgaste abaixo do previsto. No automobilismo de competição de alto nível equipes e preparadores seguem esses valores em busca de vitórias e desempenho consistente. O investimento para realizar essas vistorias, porém, é inviável para categorias menores, o que abre espaço para uma nova área de prestação de serviços, caso da MacPen Engenharia. A empresa paulista faz parte do Grupo Servidone, que amanhã lança oficialmente a academia Tech Driver, projeto destinado a preparar e desenvolver pilotos de competição em vários níveis.

Os irmãos Cesar (E) e Marcelo Servidone, engenheiro e empresário que investem no automobilismo (Divulgação)

Os irmãos Cesar e Marcelo Servidone são os responsáveis maiores pela entrada e crescimento do grupo empresarial no automobilismo nacional. Tudo começou há cerca de 25 anos, quando Marcelo deixou a financeira Mappin para fundar seu próprio escritório de advocacia. Desde então suas atividades foram se espalhando em outras áreas, particularmente em administração, conatbilidade e engenharia, esta última comandada por Cesar. Engenheiro eletricista com mestrado em segurança no trabalho e diretor da MacPen, ele foi oficial da Marinha do Brasil por oito anos e participou inclusive de atividades ligadas à pesquisa nuclear. Atualmente trabalha no desenvolvimento de automóveis elétricos e, paralelamente, em formas de garantir um automóvel de competição seguro e durável:

“Queremos trazer as boas práticas da indústria petroleira, por exemplo, que pratica valores comparáveis ao da aviação. Um automóvel nada mais é que uma estrutura metálica que sofre esforços mecânicos constantes e, consequentemente, o desgaste proporcional.”

A análise proposta por Cesar Servidone pode ser feita em níveis não invasivo e invasivo, este último mais complexo e demorado e ambos podem ser aplicados até mesmo no desenvolvimento e construção de um novo carro de corrida. Neste caso são levados em consideração os parâmetros estabelecidos pelo Anexo J da Federação Internacional do Automóvel. A análise de um automóvel completo implica na sua desmontagem e suas peças são analisadas com instrumentos de precisão segundo normas prescritas pela Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos (ASME na sigla em inglês). Na fase não invasiva envolve o uso de líquido penetrante (foto de abertura/Divulgação) para identificar possíveis fissuras nos componentes checados. No processo invasivo é retirado parte do material da peça para identificar sua composição e fadiga, o que implica em um processo mais demorado.

A MacPen é parte do Grupo Servidone, o mesmo que desde o ano passado vem apoiando e investindo em diversas áreas do automobilismo de competição e é presidido por Marcelo Servidone, o mesmo que em 2019 participou de provas em várias categorias. Essa experiência contribuiu para dar um passo importante e lançar uma série de projetos e planos de negócios voltados para o esporte e que vai além da análise técnica:

“No meu círculo de relacionamento tanto social quanto profissional encontro muita gente com vontade e recursos para praticar o automobilismo, mas essa demanda é reprimida pela falta de uma estrutura que atenda esse mercado. Nesta sexta feira lançaremos oficialmente a Tech Driver em um programa de TV na Rede Bandeirantes. Trata-se de uma academia abrangente que vai preparar pilotos de diversos níveis e ambições para seguir carreira profissional ou praticar o automobilismo como um hobby, sempre em alto nível de desempenho.”

O protótipo Tubarão de Servidone/Finotti/Machado durante treino de reabastecimento em Interlagos (Divulgação)

O custo para produzir um laudo técnico das condições de um carro de competição é variável e leva em consideração detalhes como montagem e demsontagem do veículo. Além disso é computado o número de horas trabalhadas pelo engenheiro responsável pela análise, valor que é estipulado de acordo com tabela estabelecida pelo CREA, entidade de classe da categoria.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.