F-1 mais próxima do retorno

No final da manhã FOM divulgou calendário para oito etapas

A aprovação do Ministro da Saúde da Áustria para duas provas em Spielberg, a isenção de quarentena para quem trabalha na F-1 garantida pelo governo britânico e a possível realização de uma segunda prova na Itália movimentam cada vez mais as equipes da categoria rumo ao verdadeiro início da temporada 2020. Além do trabalho de preparação e logística os bastidores da categoria (foto de abertura/Ferrari) também mostram atividade política em busca de soluções que possam aumentar o interesse do público; fim de semana com duas corridas e grid invertido são algumas dessas possibilidades. Um programa com apenas dois dias de atividades (sábado e domingo) é dado como fato consumado.

Na pista de Fiorano foi montado um hospital de campanha para realizar testes clínicos  (Ferrari)

Em todas as corridas será adotado um protocolo de segurança que inclui desde o alojamento de uma equipe por hotel, passa por fazer o trajeto até o autódromo, e respectivo retorno, sem interrupções e inclui não interagir com as demais equipes. As arquibancadas deverão ficar vazias em todas as provas até segunda ordem. De acordo com o jornalista e atual Ministro da Saúde da Áustria, Rudolf Anschober, todos os detalhes de preneção e segurança estão previstos:

“O organizador da prova apresentou um conceito baseado nos requerimentos especiais para a F-1 e as medidas protetivas necessárias para evitar o contágio do corona virus.”

Rudolf Anschober autorizou provas em Spielberg (Ministério da Saúde da Áustria, Red Bull/Getty Images)

Um calendário revisto da temporada 2020, que deveria ter sua oitava etapa, em Baku (Azerbaijão) no próximo fim de semana, deverá ser finalmente anunciado até o final da semana. Até o momento foram canceladas quatro provas (Austrália, Mônaco, França e Países Baixos) enquanto as etapas do Bahrain, Vietnã, China, Espanha, Canadá e Azerbaijão foram oficialmente adiadas. Outras etapas, como Cingapura, ainda correm risco de não acontecer. O GP do Brasil está programado para acontecer no dia 15 de novembro, mas a reformulação das datas poderá antecipar a prova em uma semana; essa é a última edição da prova dentro do contrato atual, ainda não renovado oficialmente. Já o ACI (Automóvel Clube da Itália) garantiu a presença de Monza no calendário da F-1 por mais cinco anos e negocia a possibilidade de uma segunda etapa este ano, etapa que poderia acontecer em Imola ou em Misano.

Monza está garantida no calendário até 2025, ACI fala em segunda prova ainda este ano (Alfa Romeo)

Em meio a tudo isso a maioria das equipes já voltaram a trabalhar em regime especial, fato que reforça a situação de volta próxima à normalidade. A Ferrari montou o programa “Back on Track” (“De volta à pista”em uma tradução livre) e montou uma espécie de hospital de campanha na pista de Fiorano para avaliar e testar os funcionários que aceitassem passar por uma análise medica que inclui checagem de possível contaminação do Covid-19.

Funcionários da AlphaTauri são checados diariamente sobre possível contágio (Red Bull/Getty Images)

Perto dali, em Faenza, a AlphaTauri (antiga Toro Rosso) instalou proteção entre os postos de trabalho, além de check ups regulares em seus colaboradores. Na Inglaterra a Red Bull explorou a área de sua sede para espalhar os funcionários que também voltaram ao trabalho ontem, enquanto a Racing Point programou o reinício de suas atividades para amanhã.  De acordo com Franz Tost, executivo principal da AlphaTauri, cada GP não disputado significa uma queda de faturamento entre US$ 1,5 milhão e US$ 2 milhões (algo entre R$ 8 milhões e R$ 11,4 milhões) no orçamento das equipes.

Christian Horner sugere grid invertido para aumentar o interesse pela F-1 (Red Bull/Getty Images)

Em 2021 entra em vigor o teto de gastos de US$ 145 milhões/ano (R$ 826,5 milhões ao câmbio de R$ 5,7 por US$ 1) e para diminuir esse prejuízo equipes e a FOM (braço da Liberty Media que explora os direitos comerciais da categoria) buscam soluções para aumentar a audiência e os valores de patrocínio. Uma ideia já aprovada é a realização de dois GPs no mesmo circuito – a Áustria, por exemplo, terá provas nos dias 5 e 12 de julho – e discute-se a realização de uma corrida curta no sábado, evento que serviria como prova de classificação para o grid da corrida principal no domingo. Este formato será usado em quatro etapas do calendário da Stock Car brasileira. Christian Horner, líder da equipe Red Bull defende que, nesse caso, o grid da corrida de domingo deveria ser invertido, algo que Toto Wolff, seu correspondente na equipe Mercedes, não concorda. Para Horner, que já sugeriu a venda de carros para equipes menores, o momento de crise que a F-1 atravessa é para fazer experiências como essas. Em uma temporada das mais atípicas, senão a mais atípica na história da F-1, ele tem boa dose de razão.

Saiu a primeira fase do calendário

FOM divulgou a lista das oito primeiras corridas de 2020 (Liberty Media)

Esta manhã, horas depois da publicação desta coluna, a FOM divulgou o calendário das oito primeiras etapas desta temporada, equivalente a 50% do mínimo proposto pela Liberty Media. As datas são as seguintes:

5 de julho –  GP da Áustria, Spielberg

12 de julho –  GP da Styria, Spielberg

19 de julho – GP da Hungria, Budapeste

2 de Agosto – GP da Grã-Bretanha, Silverstone

9 de agosto – GP Formula 1 70 anos, Silverstone

16 de Agosto – GP da Espanha, Barcelona

30 de agosto – GP da Bélgica, Spa-Francorchamps

6 de setembro – GP da Itália, Monza

Siga-nos no Instagram

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.