Stock Car 2020 perde a fibra

Após muitas discussões e até mesmo o desenvolvimento de um protótipo para substituir o modelo usado atualmente, a Stock Car vai continuar usando a  estrutura mecânica atual em 2020, porém com algumas mudanças significativas. Essas mudanças são necessárias para garantir que a Toyota participe da categoria que hoje em dia usa carros de chassi tubular e uma bolha que simula a carroceria do Chevrolet Cruze. Por baixo dessa carroceria construída em fibra de vidro está um chassi tubular feita exclusivamente para essa modalidade e equipado com mecânica padrão para os 30 concorrentes.

Toyota Corolla é líder absoluto do segmento de sedãs médios mas não atrai comprador mais jovem (Toyota)

A mudança deverá ser anunciada em breve e deverá ser assunto no lançamento do Toyota Corolla híbrido, modelo que será apresentado à imprensa na próxima semana. A decisão da fábrica japonesa certamente está ligada à necessidade de alterar a imagem da marca no País, fortemente associada a um produto destinado a adultos e desempenho “pacífico”. No Exterior a Toyota participa ativamente de competições e na Argentina mantém uma equipe oficial no campeonato da categoria Super TC 2000. Aliás, o braço desportivo da Toyota na América Latina, Gazoo Racing, é comandado por um argentino, Daniel Herrero.

Crevrolet Cruze vende menos que o os japoneses Corolla e Civic mas tem apelo mais jovem (Chevrolet)

De acordo com fontes da JL, a empresa que constrói os chassis e faz a manutenção de motores e câmbio dos carros da Stock Car, os modelos de 2020 usarão praticamente a carroceria em aço dos modelos Cruze e Corolla montadas sobre a estrutura atual: motor V8 6.2 aspirado, câmbio sequencial X-Trac e suspensão independente nas quatro rodas instalados no chassi tubular G09 desenvolvido a partir de um projeto argentino. Para facilitar a alteração da carroceria a suspensão dianteira receberá novos triângulos para reduzir a distância ente eixos para 2.700 mm, cota idêntica para os dois carros que aparecem como líder e terceiro colocado em vendas no segmento de sedãs médios. A entrada oficial da Toyota deverá causar boa movimentação entre equipes e pilotos pois vai envolver a disputa direta com a rival Chevrolet, única marca do grupo General Motors produzida no Brasil.

Corrida do Milhão

Ricardo Maurício (90) venceu a Corrida do Milhão e agora é vice líder da temporada, sete pontos atrás do líder Serra (Duda Bairros)

Ricardo Maurício foi o vencedor da Corrida do Milhão disputada no fim de semana, em Interlagos, resultado que o aproximou do líder do campeonato , o também paulista e seu companheiro na equipe RC Eurofarma, Daniel Serra, terceiro classificado, atrás de Gabriel Casagrande (Baterias Júpiter). O time liderado pro Rosinei Campos teve um convidado especial no fim de semana, o ex-F1 Lucas Di Grassi, que esteve próximo da vitória mas foi desclassficado por não cumprir penalização de drive through. Maurício declarou que durante o fim de semana manteve “o foco no campeonato”; Serra, que tenta igualar o feito do pai (Chico Serra, tri-campeão em 1999/200/2001), admitiu que sempre que pode procura aprender algo de quem trabalha ao seu lado”.

4 Comentários

  1. O “Mr. Simpatia” deu mais um show de arrogância ao não cumprir a punição (justa) que lhe foi imposta.

    O cara é “bão”. Talvez o melhor que tivemos, depois de Rubens e Felipe… Mas é de uma arrogância ímpar.

    • Sem dúvida a inteligência que lhe é creditada não raramente é ofuscada por ações desastradas e declarações infelizes, ambas públicas, que o tornam cada vez mais famoso. Dizer que assumir a liderança da prova em uma manobra ilegal não lhe garantiu nenhuma vantagem foi, sem dúvida, uma afronta a qualquer ser racional.

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.