Stock Car: Camilo e Serra são líderes

(Fabio Davini)

Em quatro corridas quatro vencedores diferentes

Pizzonia provoca acidente espetacular

Rodada marcada por batidas

Após uma rodada marcada por boas disputas e vários acidentes, os paulistas Thiago Camilo e Daniel Serra dividem a liderança do Campeonato Brasileiro de Stock Car. Camilo e o atual campeão Felipe Fraga foram os vencedores das duas corridas disputadas ontem no circuito do Velopark, em Nova Santa Rita (RS), ambas marcadas por boas disputas, uso intenso do Safety Car e algumas batidas. Na mais espetacular delas o amazonense Antônio Pizzonia protagonizou um episódio que teve consequências mínimas ante o potencial criado por uma colisão em “T”. Felizmente ele e o mineiro Lucas Foresti sofreram apenas contusões menores.

Felipe Fraga (88) e Gabriel Casagrande (83) travaram o grande duelo da corrida 2 (Duda Bairros)

Na primeira largada Thiago Camilo mostrou que está em ótima forma e liderou com autoridade suficiente para garantir sua primeira vitória no Velopark. Cacá Bueno (segundo) e Ricardo Maurício completaram o pódio. Na segunda prova Gabriel Casagrande e Felipe Fraga travaram boa disputa pela liderança até que o paulista foi obrigado a abandonar com problemas no câmbio. Valdeno Brito e Marcos Gomes completaram os top 3.

Tuka Rocha saiu da pista na disputa de freada com Antonio Pizzonia (Duda Bairros)

O acidente que culminou com a batida entre Antônio Pizzonia e Lucas Foresti começou na disputa de freada do amazonense com o paulista Tuka Rocha na freada para a curva 1, ponto crítico do circuito gaúcho. Após se tocarem, os dois saíram da pista e Rocha conseguiu manter seu carro sob controle enquanto Pizzonia rodou e ficou parado em posição perpendicular ao eixo da pista. Por acontecer na segunda volta os carros ainda estavam embolados; alguns pilotos conseguiram escapar mas outras batidas aconteceram na sequência e forçaram outros competidores a abandonar.

O carro de Allam Khodair ficou prensado entre os de Antonio Pizzonia e o de Betinho Valério (DudaBairros)

Situações como essa não são inéditas e há o entendimento tácito de diretores de prova de que o piloto não deve movimentar seu carro caso não tenha visão completa da pista. Em sua página no Facebook Antonio Pizonia declarou que “o pouco que eu via, era pista livre e como estava em uma zona de perigo, minha reação foi tentar sair dali o mais rápido possível.” Certamente o ambiente dentro de um cockpits não é ideal para meditar e pode-se entender que a atitude do piloto foi no sentido de sair de uma posição perigosa.

Zebras altas e as disputas acirradas provocaram cenas como esta decolagem de Cesar Ramos (Fernanda Freixosa)

Igualmente, ao largar no meio do pelotão em um circuito onde a diferença entre o mais rápido e o mais lento é inferior a um segundo, a atitude mais sensata de Pizzonia seria permanecer parado e, consequentemente, minimizar as chances de ser abalroado pelos que vinham atrás, como agiu Tuka Rocha.  Ante à sua justificativa de que “só quem pilota sabe o que acontece lá dentro”, mais importante de tudo, ressalte-se que mais importante não é crucificar A ou B, mas tomar providências que evitem a repetição de manobras tão lamentáveis quanto a que marcou a segunda rodada da temporada brasileira de Stock Car. A punição de largar em último na próxima etapa – 21 de maio em Santa Cruz do Sul (RS) – pareceu leve para muitos.

Resultado da Corrida 1

1) Thiago Camilo – a 40min57s747
2) Cacá Bueno- a 1s529
3) Ricardo Maurício – a 2s090
4) Daniel Serra – a 2s813
5) Marcos Gomes a 2s860
6) Max Wilson – a 5s764
7) Rubens Barrichello – a 6s963
8) Valdeno Brito – a 7s707
9) Gabriel Casagrande- a 8s927
10) Felipe Fraga- a 9s990

Resultado da Corrida 2

1) Felipe Fraga – 39 voltas em 41min31s902
2) Valdeno Brito – a 2s173
3) Marcos Gomes – a 2s991
4) Átila Abreu – a 3s990
5) Rubens Barrichello – a 4s479
6) Ricardo Zonta – a 5s395
7) Daniel Serra – a 6s463
8) Ricardo Maurício – a 9s250
9) Thiago Camilo – a 10s559
10) Guilherme Salas – a 14s660

 Classificação do campeonato:
1. Thiago Camilo e Daniel Serra – 69 pontos
3. Max Wilson – 56
4. Ricardo Mauricio e Átila Abreu – 51
6. Felipe Fraga – 49
7. Cacá Bueno – 47
8. Rubens Barrichello – 41
9. Marcos Gomes – 39
10. Valdeno Brito – 31
11. Ricardo Zonta – 30
12.Tuka Rocha – 25
13. Rafael Suzuki – 18
14. Galid Osman e Denis Navarro – 17

 

 

@motclassicos

2 Comentários

  1. Olhando as imagens da batida provocada pelo Pizzonia fica difícil acreditar que ele não viu os carros se aproximando. Como nenhum piloto, a meu ver, age de forma suicida, expondo o próprio pescoço de graça, a única explicação é que ele deu uma olhada rápida, calculou na base do “acho que dá” e deu nisso… O problema é que o Pizzonia é um piloto experiente, não poderia agir no achismo. Tudo bem que a posição em que o carro dele estava era perigosa, mas foi uma atitude totalmente imprudente sair daquele jeito, tanto é que houve o acidente, ainda bem que sem grandes consequências.

    • Roaddie,

      Sem dúvida esperava-se de um piloto experiente uma reação mais coerente com a situaç˜åo. O Tuka Rocha estava em situação semelhante e soube esperar o momento certo para voltar a acelerar.

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.