F1 Áustria: ninguém segurou Bottas

Na Áustria, a segunda vitória de Bottas na F-1 (Mercedes)

Finlandês se impôs em corrida de final disputado
Segundo, Vettel amplia liderança
Massa marcou pontos

Corrida rápida e completada em exatos 1h21’48”527, o resultado do Grande Prêmio da Áustria serviu para embaralhar um pouco as cartas da atual temporada de F-1. Com 11 corridas pela frente a disputa pelo título segue entre o líder Sebastian Vettel e o vice-líder Lewis Hamilton, quarto colocado hoje; a vitória de Valtteri Bottas e o quinto pódio consecutivo de Daniel Ricciardo, porém, deram alguma cor a um cenário que tinha um viés de tornar-se monótono. Para os brasileiros, vale destacar a inversão de rendimento da equipe Williams: Felipe Massa largou na penúltima fila, ao lado do seu companheiro de equipe Lance Stroll e ambos fecharam, nessa ordem, as dez posições pontuáveis.

Vettel agora tem 20 pontos de vantagem sobre Hamilton na classificação do campeonato (Ferrari)

Como esperado, a corrida de Spielberg foi marcada por um acidente logo na primeira curva: Daniil Kvyat lembrou os velhos tempos e preferiu frear seu carro batendo no McLaren Honda de Fernando Alonso. O russo foi penalizado com um drive through e dois pontos na carteira, mas terminou a corrida, num modesto 13º lugar; Alonso conseguiu voltar aos boxes e Max Verstappen ficou por ali mesmo e no caminho de volta ao paddock teve tempo para lamentar uma de suas piores largadas do seu currículo de F-1. Segundo ele, culpa da embreagem; de qualquer forma ele viveu a sensação de voltar para casa em uma abóbora…

Torcida de Verstappen foi destaque, piloto abandonou na primeira volta (Getty Images/RBCP)

Acalmados os ânimos, o que viu foi uma luta dentro e fora da pista envolvendo os dois primeiros: a cada curva Valtteri Bottas abria um mínimo de vantagem sobre Sebastian Vettel enquanto, nos boxes, a Ferrari questionava se o finlandês havia queimado a largada. Bottas partiu legalmente e melhor que todos os demais 19 concorrentes e terminou a corrida na posição que ocupou no grid. Só não fez barba-cabelo-e-bigode porque Lewis Hamilton tentou um lugar no pódio até o fim; o inglês não conseguiu superar Daniel Ricciardo, mas a duas voltas da bandeirada fez a melhor volta da corrida, 1’7”411.

Lewis Hamilton fez a melhor volta e pressinou Daniel Ricciardo no final da prova (Mercedes)

Entre os os dez primeiros surpresas como Romain Grosjean de volta aos pontos em um fim de semana onde foi regularmente superado pelo companheiro na equipe Hass, o dinamarquês Kevin Magnussen e a recuperação da Williams. Não conseguiram superar os históricos rivais da Force India (Sérgio Pérez ficou sétimo e Estebán Ocón em oitavo), mas nada mal para quem só largou à frente dos pilotos da Sauber.

Felipe Massa se valeu da capacidade da WIlliams entender o que deu errado nos treinos (Glenn Dunbar/Williams)

A equipe suíça ainda não nomeou um substituto para Monisha Kalterborn, não há uma lider explícito nas atividades de pista e uma fonte interna afirma que “está difícil encontrar alguém para preencher a vaga de team principal”. Para piorar a situação, a Audi anunciou esta semana que adquiriu o controle da equipe ABT de Fórmula E, o que diminui as chances da casa de Ingolstadt fazer investimentos mais fortes e declarados na equipe fundada por Peter Sauber.

Daniel Ricciardo, intruso mais assíduo e sorridente no pódio dominado pela Mercedes e Ferrari (Getty Images/RBCP)

Na briga entre os três primeiros no campeonato fica cada vez mais claro que Sebastian Vettel terá que lutar sózinho para derrotar Lewis Hamilton: Kimi Räikkönen não foi páreo para o inglês e seu compatriota não deu qualquer chance ao alemão. Mineiramente, o sempre sorridente Daniel Ricciardo subiu novamente ao pódio e mostra que, relembrado do passado da equipe Red Bull, sua experiência e bom momento são o alicerce de uma campanha minimamente competitiva.

Romain Grosjean foi sétimo, sua melhor colocação nesta temporada (Haas F1 Team)

Como toque final nessa receita, o desgaste de pneus foi acima da média, situação notada pelo número de bolhas que surgiram em vários carros. Segundo Mario Isolda, da Pirelli, “a pista de Spielberg tem poucas curvas e a média de velocidade mais alta já vista nesta temporada”. Não houve surpresas, mas o fato de que todos os três tipos de compostos disponíveis no fim de semana (macio, supermacio e ultramacio) terem sido usados na corrida mostra que todas as equipes arriscaram em suas escolhas.

Variedade: veja as melhores voltas da prova com cada tipo de composto (Pirelli)

O campeonato prossegue domingo que vem com a disputa do GP da Grã-Bretanha, no clássico circuito de Silverstone, palco da primeira corrida da história da F-1. Nem por isso o evento tem cadeira cativa: o British Racing Drivers Club (BRDC), proprietário do circuito, define nos próximos dias se renova o contrato atual, que vence em 2019, ou abre mão do direito de manter a corrida no condado de Northamptonshire.

Dupla na Force India mais uma vez terminou entre os pontos; equipe tem base em Silverstone (Sahara Force India)

A segunda opção parece ser a mais viável e é encarada como uma forma de renegociar o acordo forjado por Bernie Ecclestone. A Liberty Media, sucessora de Ecclestone e atual administradora da categoria, deve aceitar renegociar será mais interessante: manter Silverstone vai de encontro à sua ambição de valorizar os circuitos clássicos e anula um pouco mais a influência do empresário inglês nos destinos na F-1.

O resultado da GP da Áustria de 2017:

1) Valtteri Bottas (Finlândia), AMG-Mercedes W08, 71 voltas em 1h21’48”527
2) Sebastian Vettel (Alemanha), Ferrari SF70H, a 0″658
3) Daniel Ricciardo (Austrália), Red Bull RB13-Tag Heuer, a 6″012
4) Lewis Hamilton (Grã-Bretanha), AMG-Mercedes W08, a 7”430
5) Kimi Raikkonen (Finlândia), Ferrari SF70H, a 20”370
6) Romain Grosjean (França), Haas VF17-Ferrari, a 1’13”160
7) Sérgio Pérez (México), Force India VJ10-Mercedes, a uma volta
8) Estebán Ocón (França), Force India VJ10-Mercedes
9) Felipe Massa (Brasil), Williams FW40-Mercedes
10) Lance Stroll (Canadá), Williams FW40-Mercedes
11) Jolyon Palmer (Grã-Bretanha), Renault RS 17
12) Stoffel Vandoorne (Bélgica), McLaren MCL32-Honda
13) Nico Hulkenberg (Alemanha), Renault RS 17
14) Pascal Wehrlein (Alemanha), Sauber C36-Ferrari
15) Marcus Ericsson (Suécia), Sauber C36-Ferrari, a 2 voltas
16) Daniil Kvyat (Rússia), Toro Rosso STR12-Renault, a 3 voltas
Não terminaram:

Carlos Sainz (Espanha), Toro Rosso STR12-Renault
Kevin Magnussen (Dinamarca), Haas VF17-Ferrari
Fernando Alonso (Espanha), McLaren MCL32-Honda
Max Verstappen (Holanda), Red Bull RB13-Tag Heuer

Posições no campeonato após 9 provas:

1) Sebastian Vettel, 171 pontos; 2) Lewis Hamilton, 151; 3) Valtteri Bottas, 136; 4) Daniel Ricciardo, 107; 5) Kimi Räikkönen, 83; 6) Sérgio Pérez, 50; 7) Max Verstappen, 45; 8) Estebán Ocón, 39; 9) Carlos Sainz, 29; 10) Felipe Massa, 22; 11) Lance Stroll, Nico Hülkenberg e Romain Grosjean, 18; 14) Kevin Magnussen, 11; 15) Pascal Wehrlein, 5; 16) Daniil Kvyat, 4; 17) Fernando Alonso, 2.

Próxima etapa: GP da Grã-Bretanha, Silverstone (Inglaterra), dia 16 de julho

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.